Entenda como a Trisul S/A se tornou referência em logística reversa

Veja como a sexta maior construtora em valor de mercado do Brasil virou a chave, colocou a logística reversa em prática no dia a dia e se tornou referência na área!

A construção civil é a que mais gera resíduos e também explora recursos naturais. Com o intuito de reduzir esse impacto focando na sustentabilidade, em gerar economia e oportunidades, foi que a Trisul decidiu apostar na logística reversa. 

Segundo Cleberson Ferraz, do setor de sustentabilidade da construtora, não é uma tarefa fácil, mas traz inúmeros benefícios. “É muito difícil encontrar com quem falar nos fabricantes, por exemplo, para negociar essa logística. A maioria das grandes empresas não têm departamento de sustentabilidade. E quando encontramos a pessoa certa, a primeira coisa que pensam é que vão ter gastos com frete ou dor de cabeça”, conta Cleberson.

Para ajudar os fabricantes a quebrarem esse paradigma, Cleberson apresenta o seu projeto e comprova a eficácia da logística reversa com números, pois é uma prática que beneficia a todos. 

 

Educação da equipe

A logística reversa da Trisul começa com o treinamento junto aos empreiteiros e equipe de engenharia. “Focamos em organização dos resíduos, identificação, limpeza na obra e, posteriormente, buscamos alternativas para a destinação dos resíduos”, conta Cleberson. 

A educação é fundamental para que a equipe e empreiteiros entendam por que e como direcionar esse material. “Nós ensinamos tudo, como descer o entulho, a sucata, a madeira, o procedimento certo, como manusear a sacaria de cimento, papel, plástico e para onde esses resíduos vão”, revela. Cleberson completa dizendo que não é só falar “faz”, é preciso fazer as pessoas entenderem a importância de organizar, preparar o canteiro de obras e fazer a segregação dos materiais. 

No passado, a empresa pagava caçambas para a coleta dos resíduos, mas hoje há um trabalho com cooperativas e empresas privadas. “Inclusive, fazemos o trabalho de organização junto a eles, é um trabalho forte e constante que a Trisul vem fazendo. Somos referência no mercado com logística reversa e trabalhamos muito nesse processo. Não é algo fácil, porque se fosse todos fariam, mas estamos trabalhando bastante nisso”, revela. 

 

Mudança no mindset

Apesar de ser referência em logística reversa, a Trisul busca continuamente criar soluções para que esse processo seja melhor e viável para todos, desde os canteiros de obras, até fabricantes e mercado varejista. 

“A Trisul virou a chave, vimos a importância de tirar o custo das caçambas, porque a sustentabilidade também visa a economia. Não somos os ‘ecochatos’ do mercado, vemos a sustentabilidade como um todo, pela parte social, de economia para a empresa e de atender a legislação. Queremos fazer a diferença no mercado”, finaliza. 

 

Se interessou e quer saber mais sobre o assunto? Confira o podcast da GRX 360 com Rafael Teixeira, diretor da Rafa Entulhos, Hugo Macmillan, da Luca Ambiental, e Cleberson Ferraz, da Trisul. 

Rafa Entulhos fecha parceria com lojas de materiais de construção civil

Parceria viabiliza que os clientes das lojas contratem caçambas estacionarias ou coleta fracionada de maneira simples e automatizada

Após dois anos de estudo de mercado, a Rafa Entulhos constatou que 20% dos resíduos da construção civil são de grandes geradores, como as construtoras, e 80% de pequenas obras, como reformas em casa. A empresa que já atende com excelência as construtoras passou a analisar em como viabilizar a gestão de resíduos em pequenas obras e, assim, nasceu a venda de serviços de coleta de resíduos por lojistas. 

 

Ao contrário do que se pensa, o varejo tem uma complexidade maior na logística de caçambas, pois são entregues poucas unidades em vários endereços. Para isso, é preciso ter uma inteligência logística para fazer rotas que funcionem de forma otimizada e foi aí que a Rafa entendeu que precisava entrar nesse mercado. 

 

Entenda o projeto

Como os lojistas atendem diretamente o pequeno construtor, aquele que faz a obra da sua casa, a Rafa Entulhos oferece todo o material para que eles possam vender o serviço diretamente para o cliente, seja ele de caçambas estacionarias, que são as que conhecemos e ficam na rua, e de coleta fracionada, realizada em sacos, muito comum em locais onde não é possível estacionar as caçambas. 

Houve um grande estudo desse mercado para conseguir oferecer um serviço premium e eficaz. A Rafa Entulhos realizou o aumento da capilaridade da logística, fez investimento em tecnologia, com uma ferramenta que analisa a viabilização de entrega das caçambas, entre outros. 

 

Venda pelo lojista

Existem várias maneiras do lojista poder realizar a venda da coleta de resíduos, como um link personalizado, o qual dele divulga para os seus clientes e a cada venda é comissionado, por WhatsApp, telefone, e-mail, mídias sociais e balcão da loja. 

Ao fechar a parceria, a Rafa disponibiliza todo o merchandising para a loja, para que as pessoas consigam visualizar e entender que ali existe um serviço de coleta fracionada e aluguel de caçambas. 

Para facilitar ainda mais a vida desse lojista, foi criado um sistema chamado GRX comercial, no qual cada ponto de venda tem o seu login e senha, o que facilita a cotação através do CEP do cliente. 

 

Com esse projeto, a Rafa Entulhos consegue atender com excelência todos os mercados que precisam de coleta de resíduos, dos grandes geradores aos pequenos, tornando a construção civil mais limpa, sustentável e econômica. 

Rafa Entulhos conquista licença da Cetesb para blend de resíduos

Empresa é a única na coleta de resíduos da construção civil a ter essa planta integrada em sua operação

 

A Rafa Entulhos comemora mais uma conquista na gestão de resíduos: a licença da Cetesb para a usina de Santo André realizar o blend de resíduos. Mas, afinal, qual o intuito dessa planta? Explicamos a seguir. 

 

Rafael Teixeira revela que o objetivo é facilitar a destinação de resíduos classe I, que são aqueles perigosos gerados pela construção civil, como tintas, solventes e produtos químicos, além de reduzir a quantidade de rejeitos que vão para os aterros. “Essa planta é apta a receber esses resíduos considerados perigosos. A obra gera uma pequena parcela desses resíduos, não é em grande quantidade, mas gera e é um processo caro e complexo para a destinação”, explica o diretor da Rafa Entulhos. 

 

Blend de resíduos

A ideia dessa planta é facilitar o processo de destinação de resíduos. “Essa planta licenciada pela Cetesb nos autoriza a receber esse resíduo contaminado. Nós fazemos um blend de resíduos, misturando esses perigosos a rejeitos da construção civil com resíduos da indústria e, com isso, produzimos combustível alternativo. Por fim, esse blend é encaminhado para o coprocessamento nas cimenteiras”, explica Rafael. 

Dentro desse processo, a Rafa Entulhos ainda oferece equipes especializadas para dar suporte para a obra, para que ela consiga a licença necessária para o transporte desses resíduos. 

 

Diferencial na coleta de resíduos

A Rafa Entulhos é a única empresa de caçambas de coleta de resíduos da construção civil a ter essa planta integrada a sua operação. Com isso, a empresa consegue agora solucionar todos os resíduos de seus clientes, tornando a construção civil ainda mais limpa e sustentável. 

O futuro da gestão de resíduos pós-pandemia

A pandemia acelerou novos hábitos de consumo, o que gerou grandes debates, como o futuro da gestão de resíduos e a necessidade de sermos mais sustentáveis, principalmente, quando o tema é a construção civil. 

 

Segundo Rafael Teixeira, diretor da Rafa Entulhos, a atividade da construção civil é a que mais gera resíduos e também a que mais explora os recursos naturais. “Não dá mais para construir deixando a sustentabilidade de lado. A questão ambiental gera empregos, faz dinheiro e está no negócio”, alerta Rafael. 

 

A correta gestão dos resíduos viabiliza a reciclagem, transformando-os em novos produtos, gerando uma menor exploração desses recursos naturais. Rafael acredita que quem não se atentar a isso e não se renovar, ficará para trás.

 

“Se quer ter uma obra sustentável, a gestão de resíduos é uma das ações que dá mais resultado. Essa gestão é uma ação impactante e na pandemia muitas pessoas estão refletindo sobre isso, esse período acelerou essa mudança no mercado de construção e também nos clientes”, revela Rafael. 

 

Além dessas mudanças, o mercado também enfrenta dois grandes desafios: o primeiro é em relação a venda do agregado reciclado, já o segundo, sobre a capacidade de produção, que ainda hoje é limitada. “Para que o mercado tenha confiança nos produtos é preciso encontrar a aplicação correta, a usina tem de entender isso, para qual aplicação o agregado poderá ser vendida”, analisa Rafael. Isso gera mais confiança e, consequentemente, um maior consumo. 

 

São dois tópicos delicados e que precisam ser analisados pelo mercado para que a gestão correta de resíduos e os agregados reciclados caiam de vez no gosto dos consumidores, gerem menos impactos ambientais e um salto econômico. 

Como transformar resíduos em argamassa de qualidade

Processo da usina da Rafa Entulhos, em Santo André, transforma resíduos de concreto e argamassa em agregado reciclável de qualidade!

Você sabe o que é um agregado reciclado? Ele é um material produzido através do beneficiamento de resíduos da construção civil. Ou seja, as obras descartam seus resíduos, eles são coletados e reciclados para a criação de novos produtos. 

 

A Rafa Entulhos é referência na produção de agregados reciclados, não é à toa que conta com sete unidades, onde recebem todos os resíduos da construção civil. “Nas unidades de Santo André e Suzano é onde recebemos os resíduos classe A, que são resíduos de concreto, argamassa, alvenaria e cerâmicos, são os chamados entulhos limpos”, explica Rafael Teixeira, diretor da empresa. 

 

O processo acontece da seguinte maneira: é realizada a triagem nas unidades, as equipes separam os resíduos, e o classe A é processado, beneficiado e transformado em agregado reciclado. Na usina de Santo André, a Rafa Entulhos conta com um time especializado e tecnologia avançada para processar o agregado para a produção de areia para a argamassa. 

 

Tecnologia avançada

Para uma produção eficaz foram criados protocolos que são seguidos à risca nesta usina. “O mais importante é o controle de matéria-prima, ou seja, a usina processa o resíduo específico, dentro da classe A, que é o resíduo de concreto e argamassa, não mistura nenhum outro resíduo com ele, e aliado a outros processos produtivos faz uma areia com qualidade tão boa que é utilizada para se produzir argamassa”, explica Rafael. 

Além disso, em Santo André também é realizado o controle de finos, que faz uma classificação da areia através de peneiras vibratórias, classificando-a em fina, média ou grossa. “Também temos um sistema para retirar impurezas finas”, completa Rafael. 

Toda essa tecnologia faz com que a Rafa Entulhos produza um agregado reciclado com excelência para ser usado em diversas finalidades dentro da construção civil. 

 

Agregado reciclado de qualidade

Com essa areia é possível fazer desde assentamento de bloco, até reboco, chapisco, contrapiso, e o próprio bloco. “O grande segredo está no processo produtivo que me oferece um agregado reciclado com uma qualidade tão alta que atende requisitos para a produção de argamassa ou qualquer concreto que não tenha função estrutural”, revela Rafael. 

Nesse ciclo também é praticada a economia circular, pois o resíduo é recebido da obra, é transformado em novo produto e devolvido para a construção com uma nova finalidade. 

 

Descarte irregular de resíduos pode trazer doenças a comunidade

Apesar da gestão de resíduos da construção civil ser tema constante de debates, devido aos impactos que causa ao meio ambiente, ainda há muita negligência no mercado. 

 

Segundo reportagem publicada no mês de maio, no site Jornal da Manhã, resíduos de massa asfáltica foram depositados em uma área verde na cidade de Uberaba (MG). O material, que é classificado como RCC (resíduos da construção civil), pode causar câncer, segundo um ambientalista, colocando a população em risco. 

 

Rafael Teixeira, diretor da Rafa Entulhos, acredita que com o cenário de pandemia, as pessoas vão pensar mais no meio ambiente. “Acho que é o momento de começarmos a refletir sobre a geração e o tratamento dos resíduos. Agora é o momento de analisar as emissões de carbono, das empresas reverem as práticas de logística reversa. Parece que é o momento destas ações avançarem. Tratando o RCC de forma adequada, você poupa recursos naturais. A construção civil é a indústria que mais explora recursos naturais”.

 

O descarte adequado é a grande preocupação da Rafa Entulhos, que tem uma meta chamada de gestão 90+, que significa reciclar mais de 90% dos RCC que coletam. A empresa abriu Áreas de Transbordo e Triagem (ATT), onde os resíduos são descartados para fazer a triagem e depois a reciclagem, e usinas especializadas em reciclar cada tipo de resíduo.

 

Mesmo em meio a pandemia a gestão correta dos resíduos não pode parar. E para continuar com uma coleta eficaz e segura, a Rafa Entulhos adotou novas práticas. O cuidado foi redobrado, pois como as caçambas podem conter materiais como máscaras e luvas, quando elas chegam nas unidades, os resíduos são descarregados e preservados. “De acordo com o grau de suspeita, os resíduos ficam em preservação de 24 a 72 horas antes dos funcionários realizarem a triagem”, conta Rafael. 

 

Para orientar as empresas que recebem, transbordam e reciclam os Resíduos  da Construção e Demolição (RCD) diante da pandemia do Covid 19, a  Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição (ABRECON), criou a diretiva N° 005/2020. Se você tem dúvidas sobre o assunto, acesse o site do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo www.causp.gov.br  e confira o material completo. 

Coleta de embalagens pós-consumo na construção civil

Já parou para pensar qual o destino das embalagens na construção civil? Explicamos em detalhes a seguir!

Se tem um fato indiscutível sobre a construção civil é que ela é a atividade que mais explora os recursos naturais e gera resíduos. Portanto, é fundamental que ela faça a gestão adequada dos seus resíduos. “A construtora ou pequeno gerador são responsáveis pelos resíduos que geram e é necessário ter cuidado e preocupação com a destinação deles”, conta Rafael Teixeira, diretor da Rafa Entulhos. 

 

Essa gestão começa no cuidado com o descarte das embalagens pós-consumo na construção civil. Dentro da construção são utilizados vários produtos, como o cimento, que gera como resíduo a sacaria, latas de tinta, baldes, entre outros. Pensando nisso, a Rafa Entulhos criou a Rafa Resolve, uma startup especializada nessa logística reversa para construtoras e obras. 

 

Como é realizada a coleta?

A Rafa Resolve coloca nas obras equipamentos para acondicionar essas embalagens. “Antes fazemos uma gestão de resíduos no canteiro de obras, onde entendemos qual é a previsão de resíduos que serão gerados”, explica Rafael. 

Após esse estudo, as embalagens descartadas são acondicionadas em “big bags”, que são sacos com capacidade de um metro cúbico, ou caçambas, dependendo do porte da obra e resíduos gerados. Essas embalagens são coletadas de forma separada, acondicionadas nesse equipamento e a Rafa Resolve faz a coleta dessas bags ou caçambas. 

 

Cuidado com as embalagens

Uma das etapas dessa gestão é o treinamento, uma palestra com o canteiro de obras, onde os funcionários têm a instrução de utilizarem o máximo possível do produto para não gerar desperdício. Mas sempre acaba ficando um resíduo ou outro na embalagem que é resolvido na etapa de reciclagem. 

“Um dos trabalhos que a Rafa Resolve fez em conjunto com a Rafa Entulhos e recicladores foi criar procedimentos onde previa essa contaminação pelo próprio produto na embalagem, e corrigimos isso na reciclagem, pois esses resíduos passam por um sistema de reciclagem específico”, explica Rafael Teixeira. 

 

Economia circular

O destino das embalagens é a reciclagem para a prática da economia circular, ou seja, ela é coletada, separada por tipo, enviada para os recicladores e transformada em um novo produto para retornar a essa obra. 

“A embalagem reciclada se transforma em matéria-prima para a construção de um novo produto. Vou dar um exemplo: os baldes plásticos, enviamos para um reciclador, ele recicla e produz uma resina plástica a partir desse material, que vai para uma indústria que produz os espaçadores de ferro utilizados na construção civil. Além disso, tem os resíduos de papel, plástico, papelão, até sacaria de cimento, que são transformados em um blend para a criação caixas”, explica Rafael. 

 

Dentro desse processo um dos maiores desafios é com a logística reversa de embalagens e produtos. Porém, a Rafa Entulhos conta com um sistema de coleta, pátios e multi pátios, além de bases espalhadas na região metropolitana de São Paulo, que viabiliza essa logística para a coleta e transformação de resíduos em novos materiais para uma construção civil limpa, sustentável e econômica. 

Entenda como funciona a coleta de resíduos de concreto

Saiba como é o ciclo da economia circular na construção civil: desde a coleta, até a reciclagem de concreto e como retorna para a obra

O processo de gestão de resíduos dentro da construção civil é essencial e traz inúmeros benefícios: como a preservação do meio ambiente e maior economia para a obra. Para que entenda detalhadamente como funciona esse processo, conversamos com o Cleberson, da construtora Trisul, cliente da Rafa Entulhos, que revelou na prática todo o ciclo da coleta de resíduos de concreto até o retorno dele em areia de alta qualidade. Confira!

 

Ciclo da coleta

Dentro da construção civil as empresas fazem o planejamento estratégico da obra, para que não sobrem materiais, porém, é comum que gere poucas sobras. “Tentamos aproveitar ao máximo o que podemos, mas, às vezes, não há como aproveitar, então precisamos destinar para a coleta”, conta Cleberson.

Quando esse concreto vai ser destinado, ele é reservado em um local e, no dia seguinte, quebrado para ser coletado por caçambas específicas. “Nas caçambas da Rafa Entulhos ele vai sozinho, sem misturar com outros resíduos, isso facilita porque a caçamba é identificada e evita a etapa de triagem após a coleta, já que a empresa manda direto para a usina deles”, explica.

Após esse processo que garante a segurança da destinação, o resíduo será reciclado. “Na primeira oportunidade, compramos esse material reciclado para a obra, que é uma areia de qualidade, feita com excelência, com um ótimo custo benefício e laudo ambiental”, revela Cleberson, que completa dizendo que após a reciclagem, a areia volta limpa, parecendo natural, sendo possível utilizá-la em diversos trabalhos. 

 

Vantagens da gestão de resíduos

Além de ser um processo sustentável e inovador, a gestão de resíduos também tem um grande apelo financeiro. “Se tratando de sustentabilidade é um material que deixa de se tornar entulho e ir para um aterro, que contamina uma área”, explica Cleberson. Já na questão financeira, a construção civil tem um material de muita qualidade que é adquirido por um preço acessível. “Como a Rafa Entulhos cumpre todos os critérios do agregado reciclado, eles conseguem entregar um material excelente”, revela. 

 

Geração de empregos

Não se pode negar que a gestão de resíduos na construção civil também movimenta a economia, já que gera renda e emprego. A partir do momento que se cria um novo conceito de trabalho com resíduos, são gerados novos empregos. “Não podemos esquecer que há um ser humano ali, produzindo o material, o motorista trazendo, então é um trabalho incrível e necessário para a sociedade”, finaliza Cleberson. 

Por que apostar na gestão de resíduos na construção civil

É fato que o desperdício de materiais na construção civil abala diretamente o meio ambiente. Colocar em prática a gestão de resíduos nesta área reduz tanto o impacto ambiental, como traz ganhos significativos para as empresas. 

 

Segundo Rafael Teixeira, diretor da Rafa Entulhos, com uma correta gestão dos resíduos nos canteiros de obra é possível a reciclagem superior a 90% dos resíduos gerados. Mas os benefícios não param por aí. Para você entender como a gestão de resíduos é uma ótima alternativa para a construção civil, revelamos abaixo alguns de seus benefícios. Confira!

 

Economia de recursos naturais

Com a gestão de resíduos correta é possível apostar na reciclagem e transformar resíduos em novos produtos, o que contribui para a preservação do meio ambiente, já que desta forma não é necessária a extração de mais matéria-prima.

 

Redução de impactos ambientais

Um dos grandes benefícios é que a gestão de resíduos oferece um descarte correto a esses materiais, evitando que eles sejam dispostos no meio ambiente causando inúmeros problemas para a natureza e a comunidade. 

 

Economia para as obras

Com o uso de materiais reciclados há uma redução da necessidade de compra de mais materiais, ou seja, economia para a obra. 

 

Preservação da saúde da comunidade

Acumular entulhos em aterros irregulares pode trazer doenças para a comunidade, pois pode atrair animais, como ratos, baratas, moscas, entre outros, que transmitem doenças para os seres humanos. Com a gestão correta dos resíduos, isso não ocorre. 

 

Com tantos benefícios, fica claro que não se pode mais falar sobre construção civil sem focar na gestão correta dos resíduos gerados. A sociedade está cada vez mais atenta a como as suas atitudes impactam o meio ambiente e essa alternativa será necessária não só para quem deseja se tornar mais atraente para os clientes, como também para quem busca economia e novas oportunidades de negócio. 

Gestão de resíduos em tempos de pandemia

A gestão de resíduos se tornou parte fundamental do dia a dia para a preservação do meio ambiente. Muitas áreas procuram novos métodos e destinações para os materiais utilizados, como a construção civil, que hoje privilegia a reutilização e reciclagem dos materiais. 

 

Segundo Lia Demange, gerente de divisão de logística reversa e gestão de resíduos sólidos da Cetesb, o setor de construção tem centrado esforços no estudo das possibilidades de reaproveitamento e reciclagem dos resíduos e, ainda, na criação de negócios relacionados a cadeia da reciclagem. Com essa atitude, os benefícios são inúmeros, como a preservação do meio ambiente, e grande economia e novas oportunidades de negócio para a área da construção civil. 

 

Essa gestão de resíduos no canteiro de obras deve ser realizada de maneira correta, para que seja possível a reciclagem superior a 90% dos resíduos gerados. Nesta etapa, uma alternativa viável é o acondicionamento de resíduos, separando-os por classes e tipos, para que após a coleta sejam encaminhados diretamente às usinas de beneficiamento ou por questões logísticas, transbordados em uma ATT (área de transbordo e triagem) para envio posterior ao destino, o que, aliás, elimina uma etapa custosa e complexa, a triagem pós-coleta. O resultado é a viabilidade da reciclagem, transformando resíduos em novos produtos.

 

Mas e em época de pandemia, como manter essa gestão de resíduos de maneira eficaz e segura? Com o Covid 19 por aí, fica o alerta sobre os perigos do vírus na superfície dos materiais. Não se pode ignorar os efeitos da pandemia, além disso, é mais do que necessário zelar pela segurança e saúde dos colaboradores e da operação. 

 

“Durante a quarentena, o movimento de caçambas estacionárias foi impactado, isto é, o volume de locações foi reduzido e, consequentemente, houve diminuição da quantidade de resíduos recebidos nas ATTs”, revela Rafael Teixeira, diretor da Rafa Entulhos. 

 

Para evitar grandes impactos, foram adotadas normas e procedimentos para a recepção, transbordo e triagem de resíduos da construção civil. Veja quais são eles:

 

  • Estocar os resíduos com o intuito de reduzir o contato dos funcionários com eventuais substâncias presentes nos mesmos quando os resíduos têm ou não procedência, com suspeita de contaminação, resíduos contaminados com vírus, bactérias ou substâncias ofensivas. O tempo de estocagem varia de acordo com a situação. A preservação do resíduo se deve ao fato de aguardar o ciclo de vida do vírus que esteja eventualmente na superfície dos materiais.
  • Treinamento e capacitação dos funcionários visando identificar resíduos ou caçambas contaminadas ou itens que coloquem em risco a saúde dos colaboradores e a operação do empreendimento.
  • Manter o perfil de risco afastado de atividades diretamente ligadas aos resíduos e aos clientes é imprescindível para preservar a saúde dos colaboradores e manter a estrutura mínima de atendimento.
  • Limitar o número de pessoas transitando no espaço da ATT e adotar procedimento para checagem de dados dos visitantes e parceiros.
  • Reforçar a necessidade no preenchimento correto dos dados de origem e do tipo de resíduo.

“A implantação destas orientações poderá ser de grande valia em virtude da comoção pública e da contribuição dos setores de transportes, ATTs e usinas de reciclagem de resíduos da construção civil para a limpeza urbana e a minimização dos custos com asseio e internações hospitalares, resultantes do descarte incorreto de resíduos sólidos urbanos e de construção”, completa Rafael Teixeira. 

Colocando os devidos cuidados em prática, é possível manter a gestão de resíduos ativa de maneira eficaz e muito mais segura para todos.